Tempo de ser inspiração


Tempo de ser inspiração
(André Anlub - 2013)

Vagarei por imponentes paisagens
nos rastros de fogo de cometas
nos pirilampos disfarçados de estrelas:
desde o piche do breu de um céu
ao lume azul claro de sua íris. 

Penetrarei nas mentes sensíveis
irei incendiá-las no infindo adentro.
Se for do agrado, farei residência - expondo berreiros nas linhas dos intentos.

Inspiração fluirá
tintas serão derramadas... coloridas sangrias desatadas.

Ação e suor, inspira e expira
ah, é nessa que vou: irei às chuvas de granizo, trocando em chuvas de verão...
e em bocas poéticas serei o mais belo sorriso.



Trotski fazendo piquenique com Frida Kahlo e Natália em 1938 (foto de Fritz Bach).

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI