Debaixo da minha árvore


Debaixo da minha árvore
(André Anlub - 17/3/13)

Ao pé da grande jaqueira, ao pé da letra,
Ideias pernetas, saci Pererê:
- Sou contador de histórias
- Voo nos meus mistérios
Sei que o tempo é o grande remédio:

- Será que não vai chover?
- Quem banha a grande jaqueira?
Nada de tempo fechado, nada de nuvens escuras...
O conto que eu conto, que conta aventuras...
(não há chuvas no meu entender)
Abrirei um parágrafo que caiba uma pequena tempestade
Para alegrar minha árvore e satisfazer todo o verde,
incluindo o meu flerte que não vejo problema em transparecer.
E caem as águas agitando as folhas que parecem dizer “sim”:
- Molham meu corpo e meus aforismos
- Molham as escritas, poesias e prosas
(regam as rosas do jardim do viver)

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer