Das lágrimas

Preciso de versos certos
De encaixes precisos,
Que construam uma obra prima
Da mais bela e enigmática.

Preciso da ideia no foco,

Estar sedento e famélico,
Lutando contra o branco do vazio
Sem armas ou mapas,
Sem asas endurecidas
Ou velas furadas.

Quero ouvir a verve gritando

Ao mundo, ao pouco,
Como louca rara
Que absorve a vida aos poucos.

Preciso da sua leitura

De corpo nu em noite tão escura
Que nem as estrelas deram as caras.

Preciso do deleitar dos olhos vexados,

Umedecendo e emudecendo,
Abertos, fechados,
Deixando cair suas lágrimas.

André Anlub®

(24/5/14)



"Devolva o Neruda que você me tomou, e nunca leu... bato o portão sem fazer alarde, levo a carteira de identidade, uma saideira, muita saudade e a leve impressão de que já vou tarde. " - Chico Buarque 

Amor é o varal num ardente verão,
Varal apoiado pela vara de bambu;
Varal e bambu... na verdade não se sabe quem apoia quem.

André Anlub® 

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI