DUAS FRASES DO FRANCIS

“Os Estados Unidos forçam a democratização mundo afora porque querem vender coca-cola e instalar MacDonald’s” (Paulo Francis). Quem quiser acreditar em intenções excelsas que acredite, mas que no fundo o interesse é sempre financeiro só não vê quem não quer. É um fundo falso, há um mais embaixo ainda: o poder. Dominar o mercado é ser poderoso. E o poder é o maior dos afrodisíacos pelo simples complicante fato de que através dele todo mundo se acredita sendo. Parece que não há como negar existência (valor, identidade) a quem manda nos outros. Então, desde uma banal conversa na mesa do almoço a um debate secreto sobre a melhor forma de derrubar Assad, a marcação de presença está sempre ali. Ganhar paradas é compulsivo. Impor-se aos outros é compulsivo. Mostrar quem manda, quem sabe, que pode, quem vende mais coca-cola é compulsivo. (E os exemplos são ótimos porque tanto coca-cola é uma porcaria quanto a comida do MacDonald’s é uma droga; ambas detonam com a saúde física, assim como os demais recursos detonam com a saúde psicológica.) Nos Estados Unidos estas redes de fast-food não têm mais como crescer. Quando surge uma nova se impondo, alguma das estabelecidas quebra. Para atender à sanha do crescimento, então, é preciso espalhar-se mundo afora. Economias fechadas impedem – no mínimo atrapalham – isso. Pau nos “ditadores”, então. Prosaico feito somar dois e dois. Uma outra soma, bem menos prosaica, junta tudo isso à afirmação de um biólogo: se todo mundo vivesse como os americanos vivem, seria preciso mais três planetas para destruir. Este biólogo é americano, por sinal...



Já que falei no cara, outra afirmação do Francis que achei muito boa foi a de chamar o programa espacial americano de besteira. É uma das maiores inutilidades da civilização contemporânea, em face dos problemas colossais que a humanidade tem para resolver. De que adianta saber que cor ou cheiro têm as pedras da nona lua de Saturno se logo ali, embaixo da ponte, há gente passando frio e fome? De que adianta perseguir o fim dos confins do universo se a dois passos de distância um desgraçado estrebucha sua desgraça? Na contra-argumentação, um entusiasta diz que o orçamento da NASA é de só 14 bilhões de dólares. O que não fariam os encarregados de alojar os miseráveis refugiados de uma guerra provocada pelo mesmos Estados Unidos, caso tivessem 14 bilhões de dólares para gastar? Alojamentos, colocações e reestruturação cultural/psicológica custa dinheiro. Mas não é tão emocionante quanto descobrir que cor e que cheiro têm as pedras da nona lua de Saturno...

ROGÉRIO CAMARGO  

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI