Me vi pela vida



Dejà Vú

Me vi pela vida

Sai do ostracismo; marasmo jamais; abri a janela! 
Larguei a bebida, peguei minha magrela e sai para a vida.

Chamei de “tesão” a donzela!

Curtindo meu tempo, pois o mesmo é curto
um absurdo! com tudo no mundo e tudo voa ao vento...

E o contentamento?

Larguei a tristeza, cuspi na grandeza (com delicadeza)
senti a brisa no rosto e me vi pela vida.

Não sou mais esboço!

Mostrei o dedo pro desgosto (com muito gosto)
cicatrizaram feridas.
Pude retornar feliz, com a incumbência resolvida
viram-me pela vida como eu sempre a quis.

André Anlub®

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer