Santos de madeira




Santos de madeira
(André Anlub - 25/12/11)

Pés descalços pisam nas britas,
Que parecem pequenas brasas.
Colher de boia fria na marmita,
Colher de pedreiro nas mãos,
Ensaiando seu karatê. 
(aiá!)
Cheirando cimento,
Colando o pulmão.
O sol fulgente e quente 
Cortando de um lado ao outro
O céu mais limpo.
Rito habitual,
Frito obituário.
Às vezes pisca para a esperança
E o sol ri da sua cara.
E ele, cá embaixo,
Suando em bicas,
Pensa que há uma missão a ser feita.
(e há!)
Nas horas vagas é escultor,
Faz santos de madeira.
Com a ponteira acerta os pontos,
Com o cinzel talha o formato
E a plaina aplana a vida.
(...) E o verniz como o brilho nos olhos
Da lágrima que se mescla ao suor.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer