Noite de 18 de junho de 2015


A noite chegou e vou preparar um chá para ela.
(Noite de 18 de junho de 2015)

A noite chegou com a boca cheia de dentes, o céu estrelado e ao lado o som do latido do cão do vizinho... O Chico, um poodle. O Chico não late muito, mas é meio histérico nesse horário; nessas horas o Chico está mais para Scarpa do que para Buarque. Esse mês o tempo está voando, e voando em um Concorde; o tempo toca em um acorde rápido e faceiro. A nova onda vem e lava tudo, mexe na areia e deixa o desenho da maré que esvazia. Quero ver minhas pegadas passeando nessa praia invisível e imaginária... Uma praia que até já existiu, pois é o misto de tantas que já visitei e me banhei. Lembro-me de cada particularidade, cada praia com a sua: há uma com areia muito fina, água gelada e ondas boa para o surf; tem também as com pedras espalhadas, tatuís na beira da água que a gente catava e cozinhava com arroz; lembro-me de das com bastante vento, poucas pessoas e a areia que voa e arranha a batata da perna molhada.  Tantas histórias que somente uma das praias caberia em duas ou três folhas; foram praias passadas, lembranças passadas e a cada saudade uma sensação nova. Essa noite está me convidando mais cedo à cama; mesmo após o meu banho gelado, meu lanche da noite e as notícias nos telejornais... quero ir mais cedo para a cama. Quero o sonho novo, o amanhã novo e os velhos defeitos... quero o trejeito no jeito, o sol batendo na face e minha corrida matinal... quem faz leitura labial agora está lendo o sono em minha boca, nos meus olhos chineses e o corpo enfastiado. Ah, nada como uma boa noite de sono e um amanhecer maravilhoso com um sonho bom no meio. A noite chegou com a boca cheia de preguiça e renovação, com o camarão e o peixe que descongelam para o paladar de amanhã; com um chá de hortelã e umas torradas para agora; com a brisa lá fora e os cães dando um passeio pelo quintal. Ah, como é bom estar de bem com a vida; não se procura nada que possa perturbá-lo, quando se está satisfeito com sua sorte e seus bens. Estou bem – mas o mundo nem tanto –, e torço para que muitos dentro dessa bola estejam bem amanhã e depois de amanhã e depois... A noite chegou e ficarei por aqui para recebê-la na porta.

André Anlub

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer