FAMÍLIA, FAMÍLIA

A série é fraca, mas já suportei piores. No centro dela, uma família de três pessoas. O pai é consultor financeiro, vive em reuniões de negócios. A mãe passa o dia na rua também, porque é uma espécie de arquiteta. A filha (uma atriz lá pelos 25 ou 27 anos se fazendo de adolescente) é uma carente revoltada que não os vê quase nunca e quando os vê é como se não os visse – porque eles não estão presentes e porque ela também não está. Por que diabos alguém quer ter uma casa, então, se é para “mantê-la” deste jeito? Primeiro porque nem sabe que este é um jeito doente de manter uma casa. A inconsciência e a alienação impedem. Segundo porque não saberia o que fazer, caso percebesse o que está fazendo. Terceiro porque não haveria o que colocar no lugar. Todo mundo se casa porque todo mundo se casou, dizia um colega meu, e não estava muito longe da verdade. Todo mundo faz o que todo mundo sempre fez porque não há outra forma, aparentemente, de continuar sendo todo mundo. Ir contra a corrente implicaria em, antes de mais nada, perceber que há uma corrente. E ainda não é tudo. Há também o indispensável fator “contar consigo mesmo”, ter condições de permanecer sobre as próprias pernas quando as consequências da estranheza e da marginalização acontecerem. Muito mais fácil ser um pai ausente, uma mãe omissa e uma filha revoltada.

ROGÉRIO CAMARGO  

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI