Dueto CXLVII


Dueto CXLVII

Flagro-me com os pés descalços na grama e os pensa-mentos dispersos, aéreos.
Uma viagem por mim mesmo levaria aonde? Não sei. Mas seria interessante.
Rasgo-me com a fé que andava distante e agora me a-companha como cachoeira de dia, feito aguardente na noite.
Descolo os olhos da retina retida, desamarro as mãos das amarras amadas, limpo os pés no rés do chão de nuvens e, em frente, enfrento.
Ao olhar a fronte do fronte de frente infrinjo suas leis e transformo-me em fera. O fronte me olha alheio, indigente – indiferente –, vira as costas e volta à guerra.
Cotidianamente, o dia-a-dia. Rotineiramente, a rotina. Ninguém para te dizer “agora!” O tempo todo todo mundo te dizendo “agora!”
Vejo-me inerte no espelho d’água do rio que corre... Não o desço; o que se vai são as cicatrizes da vida, páginas viradas, portas fechadas e algumas lágrimas.
“Chorar faz bem para os olhos”. Comer formiga tam-bém. Coceira na palma da mão é dinheiro. Pisar em cocô na rua dá sorte. O Jogo do Contente está sempre à disposição...
Não sei aonde a viagem por mim mesmo me levou, mas já estou pensando em retornar. A água já ferveu para o café e não o chá; o Zé já me chama para cavalgar, mas vou a pé.
A pé com os pés descalços. A areia quente quer assunto com meus dedos. Meus dedos fingem interessar-se pelo assunto da areia quente.
A grama marcada pelo peso do meu corpo me olha en-ciumada e clama meu retorno.
É para lá que eu vou. Mas tenho muita areia pela frente – e sob os pés – ainda.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI