Puro Osso – Qu'est-ce que c'est?


Eu moro em mim, mas costumo fugir de casa.

Puro Osso – Qu'est-ce que c'est? 

Estou titubeante,
São tantas eufóricas letras voando;
Acho que vou me retirar.
Já sai na mão com minhas ideias 
– quase sempre nocauteado;
O máximo que abiscoitei foi o empate.

É um inocente empata foda
– é poda de poeta com pé de empata.
Estou anacrônico,
Vivendo uma semana em outro tempo...

Já se foram dez rabiscos,
Todos deveriam ter sido feitos
Há vinte cinco anos.
Vivo essa semana em outro Eu...
(mas com as contas pagas).

Apontaram-me torto o dedo
Naquela esquina oblíqua,
Não vou comprar briga,
Mas vi má intenção naquele ato;
Depois uma cochichou algo
No orelhão da Oi da outra;
Orelha enorme e vermelha,
O brinco parecia um bambolê.

Fez cara feia, tipo: 
“pisei na bosta, quem quer ver?”.
Estou incólume:
- Faz certo charme.
As ruas daqui do meu bairro
Remetem-me às épocas dos becos,
Ruelas e travessas do Rio de Janeiro:
- Faz certo charme²

A lembrança surge como uma bruma,
Densa, e lá no alto o Big Ben;
Não, não... 
Agora viajei longe...
Vi foi o relógio da Estação Central do Brasil.
- Faz certo charme³

Vou comer umas frutas com cereal,
E no Carnaval, só no Carnaval...
Chamem-me.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer