BOa nOite

Hipnotiza-me sem a mínima hesitação
E com a carcaça não tem perdão
Me molda e muda
Me desvenda e desnuda
Aperta tanto meu coração
Que em seu transmuta.

Dos antolhos

Quero um apropriado escudo Celta
Pois há lanças voando sem rumo
Almejando ébrias mentes sem prumo
Mas por acidente a mesma me acerta.

Quero o melhor dos virgens azeites
Pois nas saladas só tem abobrinhas
Na disparidade de várias cozinhas
Todos adotam a mesma receita.

Quero ver e ler o que outros registram
Sem antolhos nem cínica mordaça
Sem caroço impelido na garganta
Faz o engasgo que mata na empáfia.

Mas não só quero como também ofereço
Meus singelos poemas com terno adereço
E com pachorra e olhos modestos
Vê-se admirável o que era obsoleto.

André Anlub

Postagens mais visitadas deste blog

Tempo de recomeço

Folhas secas