Orbe longínquo

Ensaio NIF Magazine




Encontra-se num orbe longínquo
meu ego prófugo e inútil 
degredado pela poesia
encalçado pela humildade
pois sendo maior de idade
bateu em retirada
ferido e cansado da vida.

Encontro-te casualmente em um escrito
na lágrima escorrendo no rosto.
Tu não és desgosto
tampouco amor imposto.
Não és, sequer, tempo perdido;
és perfeita inspiração minha
ao longe ou ao longo de um sonho
fruto do meu imaginário ativo.

André Anlub®

Postagens mais visitadas deste blog

Tempo de recomeço

Parte XI