Mancomunados

Minha alma e coração
comunhão e amizade plena.
Irmãos, quase siameses
gêmeos na doçura da ilusão.

Paranoicos, cegados
categoricamente contrariados.
Creram no embuste da paixão extrema
e jazem mancomunados.

O amor sempre os inspira
na grandeza da boa vaidade.
E no espelho o olhar, que como ouro brilha
tenta trilhar o caminho da verdade.

Quem ama às vezes sofre
pois, arromba-se o cofre dos anseios
e alimentando-se nos seios que repousa
justifica o fim, no prazer dos meios.

Surge a pródiga filhota poesia 
nos gestos dos versos nobres.
Adotada, de passado pobre
mas banhada de aura divina.

André Anlub®
(2/6/13)

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer