Segue a vida


Segue a vida

Pegou o velho caixote,
pode ver por cima do muro,
ao longe o sol se camufla
por trás da enorme mangueira.

Pássaros sussurram besteiras,
sementes são dadas ao mundo,
crianças brincavam de gude
e nada rude o cavalo e seu trote.

No grande terreno baldio,
um cão magro tirava um cochilo,
infinito o calor corriqueiro,
o verão que ardia  bendito.

E a vida foi passando voando,
os anos trouxeram um filho,
o milho que virou canjica,
a jaca na compota adoçando.

Fez fogueira do velho caixote,
agora já tem mais altura,
o homem que ontem pixote,
o xote já dança na rua.

André Anlub®
(21/10/13)

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI