Dueto da tarde (XLII)


Dueto da tarde (XLII)

Fomos até onde a curva da estrada já não era mais a curva da estrada,
Tornou-se uma nanica quimera desamparada, desejo que foi para o brejo.
Nenhuma vaca atolada (no brejo ou fora dele) poderia contestar: a curva da estrada sumira sem deixar endereço.
Perguntas eram constantes, interrogações que voavam sem rumo, mas havia uma variante: o silêncio inquietante do mais adiante, incógnita gigante.
Algumas bocas falantes – mexeriqueiros que sabem de tudo (até do que não existe), diziam ofegantes em alerta: a curva da estrada não mais existe... tornou-se uma reta.
Perdendo-se no horizonte, perdendo-se no infinito, a estrada, feito a barca de Caronte, pouco se importava com gritos.
Fomos então até à beira de um abismo, bisbilhotar; ele nos encarou, olhar sedento, olhos de Lince aos quatro ventos.
A curva da estrada não-mais passou a ser a profundidade do abismo agora-e-sempre; nada mais ficaria exato, claro e no agrado se não houvesse o fútil e inútil interesse em saber o destino da estrada.

Rogerio Camargo e André Anlub

(21/1/15)

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI