Dueto da tarde (XLIII)



Dueto da tarde (XLIII)

Passou correndo, comendo vento e, naturalmente, declamando poesia.
Naturalmente, o eco respondia. E ao que respondia o eco ele correspondia:
Venha poesia! - A cada verso solto, o eco, em dueto, soltava outro novo...
De dois em dois, não fizeram quatro nem vinte e dois, mas o que veio depois foi arte, foi ofício, foi o sacrifício em abraços de incondicionais lirismos.
O frenesi da intensidade também era a admiração pela extrema calma que o momento continha.
Assim, fazendo uma pequena continha, de dois em dois davam passos muito além de uma perna, como uma peregrinada eterna pela terna inspiração, moderna/arcaica forma de viver o mundo.
Eram completos em contemplar a candura da natureza; eram distintos, pois tinham a grandeza de apenas ser meramente simples.
Foi simplesmente isso, então. Passar correndo, alimentando-se de vento e expulsando a poesia das veias como se fosse um raio, ou até mesmo um parto raro, algo necessitando plena liberdade, carecendo de ar para tornar-se eco e explodir em sons coloridos, em cores musicais, em formas diluindo-se, em etéreas concretudes, em atitudes e gestos sem protestos e protestando vida até a morte.

Rogério Camargo e André Anlub 
(23/1/15)

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer