Madrugada de 1° de maio de 2015



Madrugada de 1° de maio de 2015 (como onda só – assaz bela, mas só)

De quando em vez é melhor parar de pensar chatices. Na árvore da vida nunca se sabe qual galho segura o fruto, qual está podre e qual segura o fruto e se quebrará em podre.
De qualquer maneira se deve adubar sem o adubo dúbio do mais fácil, trivial e raso.
O abajur aceso ilumina meu conhecido bloquinho. E as sombras feitas na parede dos objetos que se mexem pelo vento do ventilador desafiam minha imaginação.
Taparam meus olhos para uma futura surpresa; desataram minhas mãos para as verdades do mundo. Os ouvidos voam atrás de boa música enquanto o corpo clama pela sobremesa. Agora não há mais tempo; não desisto nem do que já desisti. Pois vivo a remoer velhas charadas... Há tanta história dentro desse prólogo que eu poderia até parar por aqui. Mas vou além, o voo e as nuvens me aguardam nos vales querendo minha companhia. A língua está solta como nunca, a mente tinindo de alegria, e a sensação de nunca mais ir dormir sozinho. Há mares esperando meu barco adentrando, meu delicado mergulho e minha pescaria; não quero temperar demais o peixe – deixa-lo muito tempo no sal – apenas o necessário à língua... Meu amor, meu amar, estou indo. O que será que acontece quando a aranha tece sua melhor casa, sua zona de conforto? O sono vem arriando, dando aquele gancho psicológico de direita; agora é fugir do lógico e ir ao básico do mundo. Desligar o tri e o bifásico. Nesse mundo incógnito – do ontem do amanhã do agora – ninguém é rico ou ferrado, pois não importa aos olhos do Deus que o governa. Como também não deveria importar nesse mundo aqui fora. 

André Anlub

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer