Corações


Corações
(9/6/13)

Nos corações ainda se ouve
O eco dos berros perdidos nos navios;
Gritos de dores e amores de ontem
Abafados pela cobiça dos sorrisos vazios.

Há rosas línguas dançantes,
Bailando em sonhos como bailarinas;
Na utopia de todo o montante
Misturam-se todas as etnias.

Tambores atravessaram o oceano,
Alegraram ouvidos distintos,
Na beleza do duelo nas rodas 
Que são danças, lutas e ritos.

A origem de tudo que é hoje
Está exposta para quem quiser ver,

Desde o seu reflexo na poça d’água
Até a abusão cega e rasa
Dos que dessas águas
Jamais irão beber.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI