Fulano da Silva


Fulano da Silva (3/2/14)

Deu um gole no chá verde gelado
E ao descansar a xícara, sorriu.

Viu-se num lago novamente o guri
Que um dia brincou com seus sonhos alados.

Congelando o momento foi trajando o futuro,
Luz no fim do túnel do incerto predestinado.

No amanhã um apogeu deveras absurdo,
É a essência madura que utopicamente nasceu.

Viu-se feliz com o viver protegido
Viu-se ungido com o suor de mil anjos.

Na boca pequena um grandioso sorriso,
E os ouvidos docemente arranhando,
Violinos de Vivaldi em arranjos.

Faz-se adulto, pecante e andarilho,
Com rugas no rosto e prantos arquivados.

É trem de carga que não carece de trilhos;
Abandonou seu abrigo, sem culpas e mágoas. 

E por falar em trem: 
(1) Mães tiveram filhos 
mas os filhos que não tens
mantiveram os trens nos trilhos.
(2) Quem fala bem passa de jato ou de trem
Quem fala mal pega a cadeira e o jornal.
(3) Não esteja à venda ao Sistema,
não aceite ser trem e voe.


O trem, a vida, outrem

Vi os trens de Norfolk; mas foi num sonho.
Vi um céu igual ao dos Simpsons, só que real.

(abre aspas)
Nunca duvidei de minhas capacidades,
Elas que ocasionalmente duvidavam de mim.
Hoje a “dúvida” é minha fiel engrenagem
Minha âncora, minha pólvora, meu estopim.

Hoje há nevasca só quando faço um desenho,
Mas meu empenho é sempre em traçar o amar.
O amanhã sempre em odes que eu mesmo resenho,
Estará lá, porém, também, para o insano em hesitar.

Quimeras de ocasião, canções que devemos aprender,
Seguindo as rodovias que trafegam os segredos,
Eu, você e as artérias e veias que levam nosso viver...
Nunca fomos de brinquedo.
(fecha aspas)

A vida ensina tudo a todos,
Mas a morte é egoísta, 
Não ensina nada a ninguém.
Nem ela, - nem eu, 
Sabemos o que um poeta quer dizer,
Mas a poesia sempre deixa algo no ar...
Ninguém sabe se é real.
Nem o poeta, nem a morte...
Só a vida sabe.

André Anlub®
(10/9/14)

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer