Ventania...


Fulano da Silva, Sicrano Barbosa e Beltrano dos Santos (compilação) 

Deu um gole no chá verde gelado e ao descansar a xícara, sorriu; viu-se num lago novamente o guri que um dia brincou com seus sonhos alados. Congelando o momento foi trajando o futuro, luz no fim do túnel do incerto predestinado; no amanhã um apogeu deveras absurdo, é a essência madura que utopicamente nasceu. Viu-se feliz com o viver protegido, viu-se ungido com o suor de mil anjos. Na boca pequena um grandioso sorriso e os ouvidos docemente arranhando violinos de Vivaldi em arranjos; faz-se adulto, pecante e andarilho, com rugas no rosto e prantos arquivados. É trem de carga que não carece de trilhos; abandonou seu abrigo, sem culpas e mágoas. Chegou o tempo das convicções positivas, de amores desatados por mãos limpas e lavadas com o suor da procura. Eis mais um desafio no meio do povo “de andar idêntico”: barba bem-feita, sapato novo e alma nada desnuda. Eis o semblante guerreiro, os filhos na escola, hora da labuta, comida na mesa e nove talheres para duas mãos. Chegou o tempo de desprender-se do básico, e não se sentir um traste por nada ter de praxe. Fugindo da história: foi convicto à feira no domingo e comprou peixe. Subiu caixote e disse a todos os ouvintes: é bendito e bem-vindo o tal de Benvindo Nogueira; deputado do povo, eleito por ser um homem oprimido. Voltando à história: no arraste das horas a barba crescendo e o sapato mais velho; vê-se esotérico ao som erudito de um novo critério; agora homem simples, Sicrano Barbosa no orbe baldio. A vida estava por um fio, mas as nuvens se foram e tempestades sumiram (o chão é o limite). O tempo chegou, o clarão é vivo, das asas no apoio e o voo continuo (o céu é o limite). Há estradas fáceis que levam ao pecado, mas há também caminhos íngremes que estendem o tapete vermelho para o nada. Ao final da tarde as flores enfim se mostram submissas, num colorido real e pétalas, olhos famintos de belo. Ela, dama, atravessa jardins, os passos tímidos e sutis, abrindo os lábios e brotando as próprias cobiças. Um artista do amor sorri, aponta os dedos magros, outrora gordos e inebriados de nanquim. A fumaça do tabaco profana a luz, atravessa a janela trazendo a beleza que há aos olhos abertos, no limpar das remelas, no sonhar, realizar e fazer jus. Beltrano dos Santos é uma figura, já foi profeta, mas não se mostrou. Só ele sabia; nas alquimias que os anos trouxeram, a derradeira ainda estaria porvir; mas ele não tem pressa, o amor não tem pressa e o que só interessa é o acreditar sem fim.

André Anlub

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer