E vai de novo...

“O show tem que continuar”
mesmo se a plateia é parca
se o porco de barro está oco
se há cortinas comidas por traças
se o poeta fez pouco.
Sempre haverá saída
pois duas únicas coisas bastam:
o sorriso e o aplauso da pessoa amada
na primeira fila do teatro da vida.
-- x --
O tal vento cruel e birrento
soprou ao meu ouvido
como uma fera grunhindo
e nada adiantou...
só a cera espalhou.
-- x --
Os anjos trouxeram predicados
abençoando as conquistas
lapidando as certezas
aqui nesse dia sagrado.
E sob a lua alegre e minguante
nós, os humildes bardos
festivamente cantamos
com os novos perdoados pecantes.
-- x --
Ser feliz com o viver protegido
ungido com o suor de mil anjos.
Na boca pequena um grandioso sorriso
e aos ouvidos os violinos em arranjos.
-- x --
Se liga que a opção é entrar em ação,Largar a ração e comer caviar;Vem cá, ver ar e respirar fundo,Pois o fundo do poço sobrou ao cinismo.
-- x --
Achei meu chiclete perdido no fundo da bolsa,Amassado, solitário, ainda cheiroso e macio;Achei meu clichê perdido na ponta da língua,Engomado, acompanhado, ainda leso e embirrado, clamando pela soltura...Por um fio!

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI