Luzidio


Luzidio (2011)

Seu amor é luzidio
Intenso e ao mesmo tempo brando
Franco, quase doce suicídio
Vida vencida, algoz após extinção.

Busco no cerne, no coração esmiuçado, o soluto...
Busco o calor absoluto, mas a energia térmica é fria.

Calafrio, calo e ouço, calabouço
Não sinto nada, aguado, magoado e minguado...
Não sinto nem dor.

Meu amor é breu
Não é seu nem meu,
Apogeu do asco
Cego que só nego...
Tudo que seu amor me deu.

Mas juntos nosso amor é neutro
Uma soma do sincero com corriqueiro
Céu ou inferno... não importa
Nossas tortas portas sempre abertas...
Dão passagem ao amor inventivo e verdadeiro.

André Anlub 

Postagens mais visitadas deste blog

Tempo de recomeço

Folhas secas