Ótimo domingo


Algumas (des)ponderações e frases de (d)efeito

Falaram sobre o Titanic: "Nem Deus afunda esse navio". Penso cá com meus botões o porquê de Deus querer afundá-lo! Mas também penso que o Diabo, sabendo que já teria um bode expiatório, foi lá e fez.


- E vida após a morte?
- Acredito. Só não simpatizo com a ideia de eu o dia todo sorrindo, vestindo branco num jardim florido.
- Por que?
- Branco me engorda muito.


- Dou mais valor ao artesão de rua do que ao Picasso!
- Você compra muita arte de rua?
- Quase nunca!
- Você deve odiar o Picasso.


- Negócio brega e antiquado escrever RIP quando alguém morre!
- Fica tranquilo, quando você morrer escreverão: JFT (Já Foi Tarde)


Nas lacunas entre os "sins" e os "nãos" existe tal vez; essa tal vez do povo novamente entrar pelo cano.


Nos teus olhos pareço escutar o amor que ecoa sem fim; há de abafar o sombrio, o nublado, o vazio, o banal, o chinfrim.


Amor verdadeiro não foca em anel e nem todo Coco é Chanel.


correndo, o bicho pega
ficando, o bicho come
ignorando, é alienado
poetizando, o bicho é rango.


Insanidade de horas perdidas no 'líquido sagrado de Baco': com uma mão vai afundando o barco, com a outra fornece o salva-vidas.


"Brasil, ame-o ou deixe-o!"
Mas se você tiver bastante dinheiro, 
pode odiá-lo e ficar por aqui mesmo!


O sujeito se diz Capitalista, adora feriado prolongado, curte um atestado médico falso, reclama do seu trabalho e do seu salário.


Virou modismo se auto-elogiar: "sou pessoa de bem!". 
É porr@ nenhuma, falar é fácil, queremos ver na ação!


Mais uma sobre o autoelogio:
– Sou o Super-homem!
– Não! nem é um pássaro, tampouco um avião; é só um humano prepotente mesmo!


Prometo que essa é a última sobre autoelogio: 
tenho um amigo que chega a falar muito, 
mas muito bem dele mesmo na terceira pessoa.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer