Dueto da tarde [parte III]




A delicadeza tem amigos.
Os amigos da delicadeza são ecos de abrigos;
castelos sem muros.
De todos os escuros da incerteza,
Não há pior que o horror do breu do desamor.

Delicadamente, como lhe convêm,
ela e seus amigos ditam à realeza o que é fidúcia;
criam suas próprias metas e normas
(com muita astúcia).

Na incerteza não se cria abrigos.
É da certeza de si que ela se faz poética,
pois sendo menos cética: há premissa, poesia, preguiça e espaço-tempo...
Há ensejo, folguedo, pelúcia: fino brinquedo.
Há de tudo para haver de menos.

Os amigos sabem e a amiga dos amigos sabe:
Fatídico fim da futura avareza.

Rogério Camargo e André Anlub
(3/12/14)

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI