Pessoa sandia



Pessoa sandia
(3/4/09 - André Anlub)

Uma ideia fácil
Pensamento sutil
Entre o faço e desfaço
Doe o meu miocárdio.

Abro e fecho torneiras
Besteiras corriqueiras
De um alucinado drogado.

Sinto que de alguma forma
Faço coisas estranhas
Entranhas de um buraco
Fraco, entro e embarco.

Já se passam horas
Dias, meses talvez.
Eu sei que posso agora
Tomar esse frasco de vez.

Nunca fui tão prostrado
Armado, fui desarmado
Achado, quase me perdi.

Entrando por onde sai
vitória, conquistas, caminhos
vida, refugio, morri.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer