madrugada de 7 de julho de 2015



Tudo branco em paz se apraz o branco do Apraz. 
(madrugada de 7 de julho de 2015)

Escrever não é terapia, não é parto, não te faz farto tampouco filho. Escrever não é domínio nem domingo, não é sábado nem babado, nem modismo, erotismo macho bosta ou viado. Escrever não descoberta, nem procura, não é ouro, prata ou cobre, não está vestida ou desnuda, não é rua nem avenida, nem voo ou aterrisagem, não é quarto fechado, alcova, escova, pasta, dente, boca  ou paisagem, não é nada nem tudo, não é cura ou Kurosawa, nem rei nem vagabundo, nem o submundo da saudade. Escrever não é fuga nem afago, nem figo nem quiabo, não traz solução para o problema, não tem esquema, bula, equação, estratagema; não é longe nem perto, nem aqui, kiwi ou banana; não tem raça, cor e credo, nem cruz credo que ameaça; não trapaça ou joga limpo, não está no limbo, céu ou inferno. Aos olhos postos no céu azul, sem nuvem, podemos ler o verso... Nenhum verso estava ali, fizemos/falamos/escrevemos/sentimos para dor ou prazer em nós. Tudo é para si – nem sílaba que entre, nem poemas que saia – tão somente si. De resto fica a impressão da opção de parar ou andar ou correr ao redor do mundo, mesmo sabendo que poderá acabar no mesmo lugar. 

André Anlub

Postagens mais visitadas deste blog

Um muito de Drummond

É a mágica do versejar

Por debaixo da seda