Brumas...



Brumas sobre águas do charco
confuso sem remos nem barco
coração aturdido.
Lhe aceito amor repentino
o deixo colher-me maduro
na macieira do paraíso.

André Anlub

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer