Herói trágico


Herói trágico
(André Anlub - 14/7/12)

Tsunamis - terremotos
Almas penadas:
- fragmentos de episódios de um cotidiano singular,
Cheiro de eucalipto na cheia banheira da casa,
Banhos de sais e velas acesas só fazem ansiar.

Um amor perdido e desperdiçado
Assusta os ponteiros da vida (montanha russa).

Falam bem alto que o tempo é esgotado,
Aprenderam a lidar com a lida.

Pintam os olhos encharcados com cores de fúcsia,
Relógio antigo na parede carcomida.

É de matar! Sim, de matar...

Já com seus anos vividos e ainda teme paixões;
Burro de carga em estradas esburacadas;
Coração mole de pedra de açúcar;
Herói trágico de sua própria vida.

Deitado em uma cama de vime,
Ou de pés bem calçados no chão,
Pensa que sabe o que é fome,
Cometendo o pior dos crimes...
Ingratidão!

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer