Arquivo Morto


Arquivo morto*
(André Anlub - 19/2/13)

Enlouquece, tonteia;
Entorpece, abala.

No coração, na veia;
Emoção enigmática.

A coisa é séria, muito séria!
Vai um, vem outro...

É uma constância,
Por isso não faz sentido.

Pela manhã tudo estará bem,
É mais ou menos assim:

- No íntimo ficam as lesões,
Escapam os heróis
Para encararem um novo amor.

Entupindo o coração de ideias,
Cachoeiras de avejões;

Nesse amor de veracidades
Suas pegadas, espaçadas,
Na areia limpa e macia...

Pegadas de danças e festividades
Da mais pura devoção.

Quando esse sentimento aflora
Há a "refrescância"
No coração, na língua, na alma, no corpo...

Mas nem se sabe se essa palavra existe:
- não se encontra em dicionários...

Refrescância...
É morta – torta
É arquivo – morto.

Rumo à outra!

*publicado no livro Sicrano Barbosa e em diversas mídias


Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer