Noite de 12 de maio de 2015



Que despertem todos os loucos (Noite de 12 de maio de 2015)

Assim caiu a noite e caiu à sombra de um pensamento elusivo e obsessivo. Fatos, versões e aversões que documentam o invisível e irremível dentro de um nada vácuo cerebral. É o etecetera e tal, e o bem e o mal em formatos optativos de visual e auditivo. 
Daqui a pouco vem alguém e me diz que já sabia de tudo, que era absolutamente previsível. 
Ah, vá... Daqui a pouco surge o além me convidando para um chá e uma visita. 
Ah, tomar... Assim levantou o dia, dia simples de sol bem forte, de café bem forte, de ajeitar o forte, os soldados e a bandeira; já é hora do xarope para a gripe e a estirpe fazendo sinais de fumaça, dando-me alergia, mas com a alegria da presença de todos. Fito e fixo os olhos naquele pontinho no horizonte. Aquele farol que indica aonde não se pode estar. Fito e fico admirando e mirando minha alma, com os dedos apontados, e a mente lubrificada para um novo e arisco rabisco, um voo ao nada e ao desnudo. Ficam os versos e palavras bem redondinhas, bem lua cheia, bem roda de ciranda, bem no vício em aliança que nunca mais se quebra (solda boa). Vem à enchente – vem à peia – em laços que ofereço em cantos calorosos de encher minha vida, regar meus jardins com águas de “sins” e peixes saborosos no atum e no ato sem fim, num fim sem começo e assim mesmo mereço... Tudo isso é um pouco de mim. É maio, é meio, é mês cinco. O tempo passa apressado para todos, não há como negar. Passa na pressa para quem cria e é criado, para criação e criatura, para primitivos e magistrados, o estéreo e o fecundo. Não mexo em casa de maribondo abandonada, só as ocupadas – gosto de ação. Não deixo meu cavalo na chuva, pois periga um resfriado e alçar voo, meu cavalo alado, pode se cansar à toa. Não me farto em panela velha, com cabo já despedaçado, pois tenho um medo danada de ter uma má digestão. Chegou fim da linha, agora é céu. Chegou à beira da praia, agora é estrada. Não adianta, pois nada segura quem vai quem sai e arregaça as mangas para um mundo novo ou velho (não importa) o importante é ultrapassar a porta e se deixar ir. Ah, vá... Conta outra. Ah, tomar... Água de coco. 

André Anlub

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI