Mais uma mentira de amor



Mais uma mentira de amor
(André Anlub - 5/8/13)

Anote o código para ingressar na minha alma...
Sem bater - sem pegar leve.
Tudo funciona do seu jeito no colossal universo do eterno ou no do breve.

Agora o sol despontou no oceano, só porque você quis assim. Os raios vão cozinhando em fogo brando, desentupindo os enganos, só porque você está a fim.

Eu já sei, e meu grito ecoa. 
Ah, na boa, parei com os versos – mentiras...
Por ironia versei.

Nem sei se tive a sensação de já ter tido a impressão do canhão fazendo mira... em mim.

Sou mentiroso por gosto e agora tenho você por inteira, preenchendo meu interno, na mente e corpo; no externo somente a vejo, é só um carnal desejo... Enfim, já disse: sou mentiroso!

Tal ovelha negra se desgarrou do rebanho, conseguiu sua liberdade e desfrutou do assanho. E agora com mais maturidade continua ovelha negra, só que feliz e arteira dança com o namorado na luz da fogueira.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer