LXXXV


LXXXV
(André Anlub e Rogério Camargo)

Aquele corpo delineado – no sol suado – contornos per-feitos que ainda carrega no íntimo uma imensa inteligência,
Tomara, Deus queira, queira Deus não seja apenas ima-ginação de quem o deseja.
Com o psicológico inalterável e a certeza de vestir-se mulher maravilha, vive de bem com a vida e os olhares discre-tos alheios são apenas olhos bem-vindos.
Com os olhares indiscretos faz uma sopa e dá aos po-bres.
Aquele corpo delineado foi envelhecendo, perdendo as linhas certas, retas, mas ganhando ainda mais brilho.
A indiscrição dos olhares talvez não perceba. Não im-porta. A dona do corpo não se importa. Nunca foi catequista, e todas as suas conquistas deram-se pelo completo, irretocável, delineado e nada velho e acabado intelecto.
Quem a levou para a cama reclama créditos. Ela sim-plesmente desconsidera e espera que desconsiderar seja sufici-ente.
Quem a levou ao nirvana de nada reclama, pois sendo experiente procurou além da cama, a companheira, a respeitosa faceira que faz sexo interna e externamente.
Sexo complexo para quem não percebe, sexo reflexo para quem atravessa as espessas camadas da bruma e só vê o sol.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI