Sempre guri


Sempre guri

Dentro do meu coração tu habitas
Em uma bela chama ofuscante
E que se justifica na certeza
Do real amor que em vida vivo.
Sinto-me realeza...
Mas pobre rei sem ouros.
De excessiva alegria
Por ver-te sempre, 
Oh, bela sombra.
No dia em que franzires a pele
E com o falar e o viver arrastados
Os olhos cansados e mãos trêmulas...
Não temas...
Ainda assim seremos enamorados
Estarei aqui; estarei ali, estarei em tudo...
Pois nosso amor será sempre guri.

André Anlub®

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI