Manhã de 24 de abril de 2015



Manhã de 24 de abril de 2015

“Êta, porreta” deixo para trás o rompante e no montante e na montanha vejo essa manhã, tamanha, sedenta de inspiração. Manhã avermelhando ao longe...
Cereal, frutas, café – sustentação –, o branco da parede e quadros coloridos, aqui.
Vou dar minha corrida e ganhar pensamentos; ganhar sonhos e novidades;
Vou dar minha pitada de irrealidade e abarcar fingindo ser um monge.

Não escondo minha simpatia pelo Budismo! Nem deveria.
À revelia está em quilo/peso a religião contraditória, algumas oratórias sem noção;
Há momentos em que não me queixo, e o quebra-cabeça se deixa e se encaixa... 
Na maioria dos momentos não.
Prefiro sempre a adequação...
Ter uma/duas/três escolhas (fiz escola nisso) e fazer o que acho sensato, justo e honesto: sem ordem – desordem – prevaricação.

“Êta, disposição”, é bom acordar para vida depois de acordar da cama e depois de anos estagnado; não vou mais reacender tal (nenhum) carma (não foi para fazer trocadilho, gente. Juro!).
Já vivi na lama; já vivi no limo; já vivi no limbo; já vivi sem gama e “me virei” na vida sem colorido – sem poesia – sem improviso, com garrafas e ideias sempre vazias (ou a caminho)... Sem fim, sem confetes e sem ninho.
Na obsessão pela saída achei a poesia. Hoje a amo sem a necessidade da recíproca.

André Anlub

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer