A voz


A voz

Finalmente uma tal voz foi escutada
Buscando na verdade o seu alicerce
Na certeza de ouvidos a ouvirem
E pela maioria ser desvendada.

A princípio fez de conta ser coisa ingênua
Para depois elucidar os básicos detalhes
Voz esperta e complexa de gente humilde
Que repassava a realidade de histórias tristes.

A tal voz descongelou de longas datas
Levantando sua bandeira e seus princípios
Perdendo a timidez de ser sempre atada
Enfrentando a indiferença dos inimigos.

Mas a voz não se viu representada
Os que ouviram fingiram indiferença
Perdeu sua crença, achou sua mágoa
Restou o confinamento de manter-se calada.

André Anlub
(5/12/16)

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI